domingo, 14 de novembro de 2010

Doce

Joan Miró



É simples, suave, doce...
É pleno
É como um míssil de saudade
Um alimento pra alma
É poesia que não se escreve
É inspiração
É um grito, um suspiro
É uma dorzinha escondida no peito
É a felicidade mais contida
É do torpe o florescer
É um florescer completamente único
Eternamente simples e suave
Eternamente doce...


                                                                                                                                       


Nenhum comentário:

Postar um comentário